[Cultura Digital] Memes e uma breve história sobre o poder da síntese

Voce está em :Home-Opinião, Sociedade-[Cultura Digital] Memes e uma breve história sobre o poder da síntese

[Cultura Digital] Memes e uma breve história sobre o poder da síntese

A comunicação online nos impeliu a transferir a maior quantidade de informação possível uns aos outros, no menor espaço e tamanho possível.

A comunicação online nos impeliu a transferir a maior quantidade de informação possível uns aos outros, no menor espaço e tamanho possível – a imagem acima é o primeiro dos memes, publicado na revista The Judge, em 1921. 


[12.06.2020]

Por Alexandre Adoglio*

Desde muito o ser humano vem se comunicando pela linguagem não verbal. Nos primórdios utilizávamos as formas mais básicas de gestos e pinturas rupestres para nos comunicar, dividir conhecimento e transmitir informações e pareceres. A necessidade de comunicação sem palavras nos acompanha provavelmente desde quando ainda vivíamos em árvores e precisávamos sinalizar nossas vontades, trocas e sinais de perigo.

Com advento da comunicação escrita, e derivando para o digital, esta premência de síntese nos acompanhou, nos impelindo a transferir a maior quantidade de informação possível uns aos outros, no menor espaço e tamanho espacial possível. Provavelmente deste comportamento nasceu a cultura do meme.

De acordo com um levantamento feito pela VICE, o primeiro meme criado foi publicado nas tirinhas de uma revista chamada The Judge, da Universidade de Iowa, em 1921! Embora o contexto esteja ainda distante dos atuais “Expectativa X Realidade”, esta primeira arte traz o conceito de sátira aliado a uma diagramação de texto bem parecida com os atuais usos.

Isto se torna uma prova de que a cultura memética (sim, temos um nome) vem pelo menos 100 anos antes da cultura digital.

Tanto que já foi alvo de inúmeros estudos e levantamentos, provando a relevância do tema. No estudo publicado em 2017 pela revista Fronteiras de Estudos Midiáticos, intitulado “A longa duração dos memes no ambiente digital”, os acadêmicos Luís Mauro Sá Martino e Rafael Grohmann resumem que “memes são um dos principais elementos da cultura digital. Definidos como uma ideia que se espalha entre seres humanos, em um sentido próximo dos genes, encontraram na velocidade dos ambientes digitais um espaço particularmente adequado para sua multiplicação, uma vez que a rapidez de transmissão é uma de suas características fundamentais.”

IN MEMES WE TRUST

E esta velocidade de propagação que define a taxa de sucesso do meme, ou seja seu KPI (key performance indicator, ou indicador-chave de performance) ou SLA (service level agreement, acordo de nível de serviço) após a primeira postagem. Em junho de 2019, o estudo In Memes We Trust, realizado pela Globosat em parceria com Consumoteca, aponta que a cultura dos memes ultrapassa os limites do humor e passa a pautar as complexidades da nossa comunicação com o mundo, compondo os seguintes índices:

  • 85% dos brasileiros costumam curtir memes na internet.
  • 73% das pessoas já souberam de uma notícia política através de um meme;
  • 57% dos internautas seguem alguma página só para acompanhar memes;
  • 46% das pessoas compartilham memes que traduzem seus problemas pessoais;
  • 63% procuram memes na internet quando querem se distrair;
  • 75% acham que o meme ajuda a aliviar o stress do cotidiano.

De tão proeminente que o assunto se tornou, o autor René de Paula Jr, prolífico estudioso dos tempos digitais e entusiasta da internet, criou uma seção específica em suas redes sociais, intitulada Memes para Eventos no Digital. Neste repositório online observamos uma série de situações cotidianas vividas por todos nós do mercado de tecnologia. Segundo René, esta coletânea é voltada para uso naquelas ocasiões em que não podemos verbalizar nosso pensamento, mas podemos satirizá-lo de alguma forma em situações específicas, como uma tirada no WhatsApp ou palestra, por exemplo. Eu mesmo usei algumas vezes, e o recado funcionou.

Chico Buarque de Holanda: o letrista que virou meme

A Cultura Memética vem se tornando tão importante para o digital que até criaram um museu pra ela. O criador e coordenador do #MUSEUdeMEMES, Viktor Chagas, da Universidade Federal Fluminense (UFF), revela os costumes da fauna “memeística” brasileira. O pesquisador pretende dar o devido peso e importância do meme na semiótica de linguagem, pois notou que a forma de criação dos temas varia muito de acordo com o estágio de digitalização da comunidade e a relação das pessoas com as plataformas disponíveis, como Facebook, Instagram, o 4Chan, o Reddit e o 9gag.

Deste último eu sou particularmente fã pois, além de ser uma das plataformas mais democráticas do mundo, consegue transmitir informações em tempo recorde, devido à relevância que a moderação dá a assuntos de termos globais, como o BLM e COVID-19.

E claro que não poderia deixar de existir um ranking dos memes mais famosos de todos os tempos. Neste estudo, realizado através de um crawler (rastreador da rede, um programa de computador que navega internet de uma forma metódica e automatizada), determinaram quais seriam os memes mais compartilhados do mundo. Claro que com as variações necessárias, pois uma das grandes virtudes do meme é a capacidade de mudança de acordo com a vontade do seu autor. No estudo temos desde o infame Change my mind até o querido Success Kid, comprovando que memes não tem idade tampouco classe social para fazerem sucesso.

Em tempo, Meme é um termo criado em 1976 por Richard Dawkins no seu bestseller O Gene Egoísta, segundo o qual o termo é para a memória o análogo do gene na genética, a sua unidade mínima. É considerado como uma unidade de informação que se multiplica de cérebro em cérebro ou entre locais onde a informação é armazenada (como livros). No que diz respeito à funcionalidade, o meme é considerado uma unidade de evolução cultural que pode de alguma forma autopropagar-se.

[BÔNUS]
E o título de meme brasileiro com maior audiência mundial vai para…

NAZARÉ CONFUSA

Das novelas da Globo para o mundo, a atriz Renata Sorrah virou meme no mundo todo graças a uma imagem da novela Senhora do Destino, quando ela interpretou a personagem Nazaré Tedesco. Aqui, o meme ficou conhecido como Nazaré Confusa“, pois são usadas expressões que aparentam confusão, adicionadas à equações matemáticas. Fora do Brasil, o meme se chama Math Lady, ou Senhora da Matemática, na tradução literal.


* ALEXANDRE ADOGLIO é CMO na Sonica e empreendedor digital.
Escreve semanalmente sobre Cultura Digital para o SC Inova.


LEIA TAMBÉM: