De nanopartículas a apps de alerta: soluções desenvolvidas em SC podem prevenir e combater o Covid-19

Voce está em :Home-Inovadores-De nanopartículas a apps de alerta: soluções desenvolvidas em SC podem prevenir e combater o Covid-19

De nanopartículas a apps de alerta: soluções desenvolvidas em SC podem prevenir e combater o Covid-19

Em SC, diversas empresas que desenvolvem tecnologias na área de saúde utilizam soluções para orientar a população e auxiliar profissionais médicos no combate ao coronavírus.

“São tecnologias que podem trazer resultados, por isso orientamos a todos os polos de inovação que divulguem suas iniciativas”, explica Walmoli Gerber Junior, diretor da Vertical Saúde da ACATE. 


[FLORIANÓPOLIS, 16.03.2020]
Redação SC Inova, com informações da Assessoria de Imprensa

Poucos dias após a Organização Mundial de Saúde declarar a pandemia do coronavírus, em função da rápida expansão do Covid-19 pelo mundo, um levantamento do Ministério da Saúde apontou até esta segunda-feira (16.03) ao menos 220 casos confirmados da doença.  

Em Santa Catarina, diversas empresas que desenvolvem tecnologias na área de saúde – que vão de máquinas de ozônio para desinfetar ambientes até aplicativos que lembram as pessoas de lavarem as mãos – já estão utilizando soluções para orientar a população e auxiliar profissionais médicos na prevenção e no combate ao coronavírus.

É o caso da Wier, de Florianópolis, que produz máquinas geradoras de ozônio que realizam a descontaminação de micro-organismos e a eliminação de odores. O CEO da empresa e Doutor em química, Bruno Mena Cadorin, explica que estudos comprovam a eficiência do ozônio no vírus da SARS, que se assemelha em 80% ao coronavírus. A solução pode atuar também na prevenção em ambientes coletivos, como salas de esperas, teatros, cinemas, shoppings, cabines de avião e vagões de trem.

Bruno Cadorin, da Wier: máquinas geradoras de ozônio podem atuar na prevenção em ambientes coletivos, como salas de esperas, teatros, cinemas e shoppings. / Foto: Divulgação

Também com sede em Florianópolis, a TNS Nanotecnologia desenvolveu uma tecnologia de nanopartículas em pó e líquidas (aditivos antimicrobianos) que são utilizadas na formulação de produtos como tintas, tecidos, esponjas e metais para o combate a bactérias. Gabriel Nunes, sócio diretor geral da empresa, explica que o vírus é um hospedeiro, precisa se ancorar em alguma bactéria e superfície para continuar a contaminação. Comprovadamente, o aditivo da TNS faz a quebra por associação e pode colaborar com a quebra da contaminação cruzada e a aplicação resiste a várias anos. A empresa exporta para 11 países.

Outra startup manezinha, a EPhealth desenvolveu há alguns anos uma plataforma para Atenção Primária em Saúde (prevenção) focada na melhoria da rotina de agentes de saúde. Por meio de um aplicativo, os agentes conseguem se organizar melhor, identificar riscos e conversar de forma mais direta com toda a equipe envolvida –  médicos, enfermeiros, entre outros. Na última semana, a empresa lançou o módulo de notificação do Covid-19 pelos agentes de saúde e, nos próximos dias, será lançado o módulo do portal para os clientes (40 prefeituras pelo Brasil) que também vai permitir que médicos e enfermeiros contribuam e façam o apoio para a notificação compulsória, afirma o CEO e cofundador Pedro Marton Pereira.

“A maior lição que podemos aprender neste momento é que já tivemos outras epidemias e pandemias, mas com a informação sendo difundida tão rapidamente quanto as soluções tecnológicas, podemos minimizar os efeitos enquanto a cura e a vacina não chegam para todos. São soluções que podem trazer resultados e impactar a vida das pessoas, por isso orientamos para que todos os polos de inovação divulguem suas iniciativas”, explica Walmoli Gerber Junior, diretor da Vertical Saúde da Associação Catarinense de Tecnologia

Pedro, da ePHealth: na semana passada, startup lançou o módulo de notificação do Covid-19 pelos agentes de saúde e, nos próximos dias, terá um módulo que pode ser utilizado por 40 prefeituras do país que são clientes. / Foto: Divulgação ePHealth

ASPIRAÇÃO DE FLUIDOS CORPORAIS 

A CSE, com sede em Blumenau, criou um sistema fechado de aspiração de fluidos corporais que combate a contaminação no caso de cirurgias e ambientes hospitalares. O sócio gerente Lucio Bareta Todorovi explica que, tipicamente, são usados sistemas abertos de coleta e, muitas vezes, esses fluidos, como sangue e aspiração de cavidade, vão para um frasco que acaba indo para a rede de esgoto. 

Com o sistema de aspiração da CSE, o fluidos vão para uma bolsa que tem uma membrana antibacterial lacrada, posteriormente incinerada com todos os procedimento sanitários adequados. O sistema já é utilizado nos procedimentos oncológicos no Cepon em SC e estão ampliando para UTIs. Diante do avanço da pandemia, a empresa já fez contato com algumas secretarias de saúde e também foi procurada pelo governo do Paraguai, para onde já está enviando algumas bolsas. 

SISTEMA DE HÁBITOS DE PREVENÇÃO 

Empresa de saúde digital corporativa que disponibiliza aplicativos e plataformas que ajudam colaboradores a reduzir fatores de risco, a GoGood está trabalhando “com fomento aos hábitos divulgados pelo Ministério da Saúde com foco na prevenção, como lavar as mãos várias vezes ao dia e usar o álcool gel para evitar contaminações”, diz o CEO Bruno Rodrigues. Os hábitos foram criados no app, enviando lembretes e gerando pontos num sistema de gamification para os colaboradores que cumprirem a tarefa. Além disso, estão abrindo canais de comunicação também com conteúdo para mais divulgação das novidades e procedimentos envolvidos.

FERRAMENTAS DIGITAIS PARA ANESTESIOLOGISTAS 

A startup Anestech utiliza a tecnologia para melhorar a anestesiologia por meio da otimização do fluxo de trabalho dos profissionais de anestesia, dando apoio cognitivo em tempo real através de análise de dados,  aumentando a segurança dos pacientes, gestão hospitalar e proteção legal de todos os envolvidos. O médico anestesiologista Diógenes de Oliveira Silva, CEO e fundador da startup, explica que “o profissional de saúde com maior risco de contaminação com o coronavírus é o anestesiologista, que lida com a via aérea e é chamado para intubar os pacientes que pioram”. Neste momento, a empresa está utilizando o canal para ser um fonte confiável de orientação para os profissionais  sobre o coronavírus. 

TELEMEDICINA: SISTEMA TIRA DÚVIDAS E DÁ ORIENTAÇÕES 

Empresa especializada em atendimento à distância na área da saúde com sede em São José, a Topmed possui um serviço denominado Saúde 24h, com aplicativo, central de saúde por chat, 0800 e vídeo chamada, que oferece orientação e informações em saúde por telefone e é formado por equipe especializada, composta por enfermeiros e supervisionado por médicos. A diretora comercial da TopMed Carla Hoffmann explica que a equipe já está preparada para fornecer orientações sobre o coronavírus, sintomas, prevenção e dar o direcionamento correto.