[CULTURA DIGITAL] Web 3.0 Tomo 5 | O fim do intermediário

Voce está em :Home-Cultura Digital, Opinião, Sociedade-[CULTURA DIGITAL] Web 3.0 Tomo 5 | O fim do intermediário

[CULTURA DIGITAL] Web 3.0 Tomo 5 | O fim do intermediário

A centralização de decisão, poder e ganhos em poucos players se mostra como uma das maiores mazelas para uma economia saudável

A centralização de decisão, poder e ganhos em poucos players se mostra como uma das maiores mazelas para uma economia saudável, não importando qual fronteira política ou geográfica se tenha como análise. /


[24.06.2022]


Por Alexandre Adoglio, CMO na Sonica e Diretor no grupo Marketing&Vendas/ACATE Startups. Escreve quinzenalmente sobre Cultura Digital para o SC Inova

ATENÇÃO: Nada neste artigo é uma recomendação de investimento, este conteúdo tem apenas fins educativos e exprime a opinião do seu autor. Faça sempre sua própria pesquisa para qualquer tipo de investimento financeiro.

Foi desconcertante quando profissionais de marketing digital, como eu, recebemos a notícia de que o Google estaria mudando seu algoritmo de pesquisa mais uma vez. Talvez não tenhamos uma comoção generalizada sobre o assunto pelo simples fato de que o público impactado não tem grande abrangência em relação a participação no PIB ou mesmo influência perante as grandes decisões da humanidade.

Porém, é um ledo engano não perceber que aquele seu budget de mídia não está mais entregando a quantidade de leads suficientes para gerar o mesmo volume de clientes de outrora, ou mesmo que seu ROI (retorno sobre investimento) está ficando cada vez mais longe do plano de negócios alinhado com seu investidor quando se deu o aporte.

E a causa disso é simples. 

Centralização de poder nas empresas Google e Meta.

Não obstante os impactos do dólar possam de alguma forma influenciar nos valores cobrados pelas plataformas, fato é que o aumento de preço impossibilita muitas empresas, em vários mercados e portes, se estabelecerem num fluxo planejado de geração de negócios utilizando os atuais canais de mídia on-line disponíveis.

Variação de câmbio é desde sempre apontada como causa de mazelas financeiras há décadas, mesmo sabendo que a inflação que te aflinge é a especulação que está enriquecendo alguns. E de fato esta variação impacta de prima as nossas commoditeis que movimentam a vida nesta sociedade de bens de consumo. Custos como o da energia estão entre os principais motivadores dos reajustes, não importando se sua geração está no gás russo ou no moinho de vento baiano. 

A centralização de decisão, poder e ganhos em poucos players se mostra como uma das maiores fraquezas para uma economia saudável, não seja qual for a fronteira política ou geográfica. Afinal, é um mundo globalizado e integrado a tudo, certo?

Se desenha daí uma das grandes oportunidades que está formando o cenário de ascensão para a Web 3.0, onde os pilares desta tecnologia estão se consolidando para prover soluções que até então poderiam ser consideradas utopia. Motivados pela percepção inicial de alguns poucos visionários, soluções em blockchain estão convergindo em uma série de aplicações visando a eliminação de intermediários em alguns mercados que antes se consideravam sólidos.

Uma das formas mais rápidas para se entender é voltarmos a mente para os mecanismos de funcionamento das cooperativas. Em tese, este modelo de negócio parte do princípio de que todo cooperado é sócio do negócio e se beneficia com eles. Nos primórdios este controle era feito na base do recibo, carimbo e carteirinha, como até pouco tempo atrás interagíamos com estas instituições. 

Um primeiro passo tecnológico no cooperativismo foi digitalizar tudo, bastando informar seu CPF como código de acesso aos produtos e/ou serviços disponibilizados aos membros associados, incluindo clube de pontos e prêmios, tendo como mecanismo de gestão a votação de projetos através de assembléias. E é neste mesmo princípio que a descentralização de negócios está sendo acelerada pela Web 3.0, seja através de DAOs (Organizações Autônomas Descentralizadas) ou então DApps (Aplicativos Descentralizados), tudo isso turbinado pela aplicação de contratos inteligentes (smart contracts) transacionados via tokens automatizados nas blockchains.

Alguns exemplos para quem pensa em descentralizar sua vida:

BANKLESS DAO
Já pensou uma vida sem banco, onde você é realmente dono do seu dinheiro sem necessidade de deixar a custódia deste com uma instituição? Pois então, esta DAO acolhe seus membros de forma inclusiva, através de muita interação e uma série de conteúdos imersivos com objetivo de ensinar a transferir gradualmente dinheiro, ativos, títulos de propriedade, etc para redes globais, decentralizadas, transparentes, seguras e livres de permissão como, por exemplo, a Ethereum. E sim, já é possível pagar o seu cafezinho com criptomoeda. Essência da Web 3.0, basta acessar e entender o quão fundo é o buraco do coelho, aqui. 

DeSo
Um dos maiores investimentos da Coinbase este ano, DeSo é o primeiro blockchain de camada 1 personalizado para dimensionar aplicativos de mídia social descentralizados para bilhões de usuários. Possibilita para qualquer indivíduo criar sua própria rede social de forma que os membros sejam proprietários, com funcionalidades para criação de um token/moeda próprio e marketplace para geração de negócios, como na rede DaaP voltada a comunidade W3, o ENTRE (sim o nome é em Português para este bench do Linkedin que está bombando no cenário mundial). 

Para saber do DeSo clique aqui
Para receber um convite meu para o ENTRE, clique aqui 

MENSAGENS
As mensagens fazem parte de nossas vidas desde o dia em que começamos a usar a internet através de WhatsApp ou o Facebook Messenger. Outros tipos de mensagens incluem o Telegram, que é usado principalmente por startups, empresas e outras formas de trabalho profissional. Por outro lado, o governo também tende a executar sua rede de inteligência para rastrear mensagens, e isso só é possível devido a centralização destas corporações. A solução são aplicativos baseados na Web 3.0, como e-Chat, ySign, Obsidian, Riot, entre outros, baseados em blockchain para garantir a privacidade dos usuários.

COS.TV
O COS.TV é uma plataforma de vídeos que gera monetização tanto para quem produz, quanto para quem assiste aos conteúdos. O pagamento funciona por meio do formato de blockchain, uma rede virtual de dados derivada do bitcoin. Com um formato semelhante ao Youtube ou Vimeo, atualmente, a plataforma já está disponível e pode ser acessada pelo site cos.tv ou aplicativo para celulares  Android.

Além destas podemos acessar uma infinidade de soluções sem intermediários aqui:

eCommerce: EOXCommerce
Educação: Carmel, Everipedia, Trybe.
Exchange: EOSfinex, Chaince, OiX, Tokena
FinTech: Chintai, HorusPay, Atidium
Gaming: Azarus, Billionaire Token, DEOS Games, EOS Bet, EOS Gems, ParSEC Frontiers, Prospectors, SFEOS
HeathCare: IRYO
Identification: Scatter
Marketplace: Cards & Tokens, Emanate, HireVibes, Insights Network, Maestro, Nebula, NoMad, UNICO, Verv, Karma.
Media: Plactal, TXT
Plataformas: Cybex, Irespo, Letitplay, Meet.One, OracleChain, Zimbra X
Segurança: Uncloack
Social Network: Ono, QOQO, Sense.
Transportes: EVA

Uma nova era tecnológica já está em andamento, bem longe do hype das NFTs ou do bear market nas criptomoedas. Para quem ainda não entendeu, estamos chegando, unidos e com força. 

CONFIRA OUTROS ARTIGOS EM NOSSO CANAL CULTURA DIGITAL

LEIA TAMBÉM: