[Cultura Digital] O Digital é para todos?

Voce está em :Home-Opinião, Sociedade-[Cultura Digital] O Digital é para todos?

[Cultura Digital] O Digital é para todos?

Mesmo se não for para todos, o online é uma das formas mais acessíveis para promover negócios em tempos de Covid-19.

Mesmo se não for para todos, o online é uma das formas mais acessíveis para promover negócios em tempos de Covid-19.


[26.06.2020]

Por Alexandre Adoglio*

É mediante o distanciamento social que estamos realmente percebendo o quão a interação ao vivo é importante para nossos negócios. De repente, as nossas formas de trabalhar, negociar, entregar, foram abruptamente interrompidas, restando a maioria de nós a perplexidade perante um mundo que não conhecemos mais.

Então, o online surge como uma enorme e promissora luz no fim do túnel.

Umas primeiras iniciativas acanhadas, aqui e ali, foram tomando forma, a partir de empresas, entidades e pessoas que se prontificaram a testar novos modelos, se empenhar em novas abordagens, transferindo nossos trâmites do mundo real para o virtual. Em todas as áreas.

Em gastronomia a Decanter, importadora de vinhos de Blumenau, compôs cursos online de degustação de vinhos,  no qual os consumidores compram uma seleção específica de vinhos que seriam degustados com acompanhamento de um sommelier em uma live somente para os clientes da campanha. Para agregar valor, limitaram as vagas e ofereceram ainda mais benefícios como um e-book sobre a seleção de vinhos e entrega gratuita em determinadas localidades.

Nesta direção, o já consolidado evento Fechado para Jantar de São Paulo, apresentou uma proposta tão inovadora quanto inusitada para seus clientes no Dia dos Namorados deste ano. Por determinado valor, os consumidores receberam em casa um kit contendo ingredientes para um jantar romântico em comemoração à data. Na embalagem, instruções para acessar uma live em que o chef de cozinha do evento ensinou o preparo da refeição em tempo real, que seguia noite adentro com apresentações de DJs e músicos. Resultado? Foram 350 kits vendidos em menos de 5 minutos na venda antecipada online.

PEQUENOS EMPREENDEDORES TAMBÉM SE ADAPTAM E INOVAM EM SERVIÇOS ONLINE 

Da Gastronomia para área de Saúde e Beleza, a profissional Ellis Goedert tem feito sucesso por conta de oferecer aos seus clientes a opção de um corte de cabelo “teleguiado” pelo online: a partir de uma conversa inicial ela entende as necessidades do penteado e faz a própria cliente aparar as madeixas.

Já a personal trainer Ioná Vargas (acima) migrou todos os alunos da academia real para aulas online, abrindo inclusive novas turmas para atender o público 60+. De início a mudança gerou resistência por alguns clientes, porém com o tempo não só o modelo se consolidou como a demanda pelo atendimento de treinos online aumentou, provocando inclusive a sinergia no atendimento online para outras áreas como nutrologia e microfisioterapia.

É mediante o distanciamento social que estamos realmente percebendo o quão a interação ao vivo é importante para nossos negócios.

Como exemplo de varejo, o Shopping Itaguaçú de Florianópolis promoveu, em uma ação omnichannel unindo rádio, internet e TV, o retorno do drive-in para seus clientes. Por meio de cupons de compra, as pessoas se cadastram em uma plataforma online e reservam seus lugares no estacionamento do local onde foram exibidos filmes de acordo com uma programação. A ação levou mais de 500 clientes a curtirem momentos lembrando os locais de década de 1960.

Afora os inúmeros cases, temos as iniciativas de entidades e empresas que se propuseram a auxiliar neste momento desafiador, oferecendo conteúdos, benefícios e conexões às pessoas, profissionais e empresas que precisam de apoio. 

Confira aqui algumas dessas iniciativas:

Juntos Nessa: grupo de empresas que tem como objetivo ajudar a comunidade empreendedora

Não Pare Adapte: Movimento para proporcionar a troca de ideias sobre o dia a dia e dificuldades dos negócios nesse momento de instabilidade, apresentando uma série de entrevistas, mesas redondas e palestras gratuitas cujos insights vão auxiliar na retomada do mercado;

SC Criativa: Movimento voluntário de agentes da indústria criativa, com o objetivo de conectar pessoas, incentivar projetos multidisciplinares, criar oportunidades de negócio, compartilhar conhecimento, desenvolver profissionais criativos e impactar a comunidade;

Vai pro Digital: plataforma online que oferece conteúdos de capacitação para digitalização de negócios e benefícios de empresas parceiras;

Vamos Superar:  plataforma que une quem quer e pode ajudar com quem precisa de ajuda, de forma acessível, facilitada e gratuita;

HELPIE: plataforma digital que conecta consumidores e fornecedores de serviços de qualquer natureza por meio de web e aplicativos móveis, criou uma seção para oferta de ações voluntárias para pessoas do grupo de risco e também aos que precisam de orientações sobre como agir nesse momento de isolamento social;

Psicologia Solidária: serviço em que grupo de psicólogos dá suporte remoto gratuito.

O digital pode não ser para todos, mas com certeza é uma das formas mais acessíveis para promover negócios nos tempos de Covid-19, se provando mais essencial para o tão necessário voluntariado.


* ALEXANDRE ADOGLIO é CMO na Sonica e empreendedor digital.
Escreve semanalmente sobre Cultura Digital para o SC Inova.

LEIA TAMBÉM: