Conheça os projetos vencedores da quinta edição do Startup Weekend Joinville

Voce está em :Home-Negócios, Patrocinado, StartupSC-Conheça os projetos vencedores da quinta edição do Startup Weekend Joinville

Conheça os projetos vencedores da quinta edição do Startup Weekend Joinville

Três primeiros colocados – CadastrIA, Openfy e Smartag – ganham período de pré-incubação na Softville para desenvolver as ideias criadas em 54 horas.

Três primeiros colocados – CadastrIA, Openfy e Smartag – ganham período de pré-incubação na Softville para desenvolver as ideias criadas ao longo de um final de semana

Conteúdo produzido para

Novas ideias de projetos inovadores surgiram ao longo do final de semana em Joinville durante a quinta edição do Startup Weekend realizada na cidade, no campus da Univille. Ao longo de 54 horas de muito trabalho, desenvolvimento de ideias, modelo de negócios e busca de clientes, mais de 110 empreendedores se dividiram em 12 grupos e apresentaram soluções para o mercado corporativo (B2B) e consumidores (B2C) a um júri formado por profissionais de mercado, executivos e fundadores de startups já consolidadas.

A ideia vencedora foi a CadastrIA, uma plataforma para cadastramento digital de clientes com foco em instituições financeiras e cooperativas de crédito. Além dela, também foram premiados o Openfy, sistema para compartilhamento de wi-fi que ficou em segundo lugar, e a SmarTag, tecnologia logística para rastreabilidade de cargas, em terceiro. Os responsáveis pelos três projetos ganham um período de pré-incubação por três meses na Softville.

Lucas Henrique Monteiro, líder do projeto da CadastrIA, chegou ao Startup Weekend com a ideia já mapeada: “eu já tinha começado a estudar esse problema mas até agora não tinha conseguido tempo e apoio para colocar isso no papel”. A ideia surgiu quando ele começou a entender como era feito o cadastro de clientes em empresas que administravam criptomoedas: “era uma confusão, por falta de tempo muitos cadastros não conseguiam ser validados e, por mais que eu perguntasse, ninguém sabia me responder como isso era feito. Eu mesmo estou com dificuldades em validar meu cadastro em um plano de saúde, o processo é muito chato, em dez dias mandei quatro vezes e sempre volta por algum problema”, comenta. Mesmo sem saber se continua no projeto após o evento – ele é líder da equipe de ROI na agência de marketing digital A2C, de Joinville, e também é coinvestidor em um fundo de capital de risco – ele acredita que a ideia se consolidou como um projeto maduro ao longo do final de semana. “Nós chegamos a um Produto Mínimo Viável (MVP) aqui no Startup Weekend”, afirma.

Para Dionei Domingos, presidente da Softville – incubadora criada em 1995 em Joinville e que hoje abriga mais de 20 projetos em desenvolvimento – independente se as ideias criadas no final de semana vão vingar ou não, o que importa a partir de agora é o que vem pela frente. “Particularmente, não acho fácil seguir com a mesma ideia que surge no Startup Weekend. Mas a jornada que esses empreendedores construíram em tão pouco tempo dá condições para manter o que foi iniciado ou seguir com novas ideias. Temos um ambiente propício para isso, com muitos mentores na cidade” ressalta.

Foram 12 grupos e 110 empreendedores engajados em buscar uma nova solução com potencial de mercado e crescimento em escala. / Fotos: Divulgação Startup Weekend Joinville

Mas não faltam exemplos de quem venceu um Startup Weekend e seguiu como empreendedor. Daniel Weldorf participou do evento no final de 2016, onde criou a Pinpost, que desenvolve soluções para marketing de experiência unindo ações online e offline, hoje incubada na Softville. “Eu achava que era preciso saber de tudo um pouco, finanças, comercial, desenvolvimento de produto, antes mesmo de empreender. Mas descobri no evento que dá pra iniciar um projeto e validá-lo ao longo de um fim de semana. Mas isso só é possível num ambiente colaborativo e a colaboração é propulsora da inovação”, define. Natural de Porto Alegre, ele chegou a Joinville há dois anos sem conhecer ninguém e, aos poucos, foi participando de eventos e trocando ideias com outros empreendedores. Hoje, além de cofundador de uma startup, é o responsável pelo núcleo de inovação na Associação Comercial e Industrial de Joinville (ACIJ) e, a partir deste mês, também vai se dedicar a gestão de projetos na Softville. “O ecossistema aqui só cresce, mas temos que gerar novos líderes, pessoas que tenham o interesse em doar algo, tempo e experiência, não apenas se preocupar com o que vão ganhar”, define.

Apoio para começar um projeto inovador

Vários grupos formados na noite de sexta-feira encerraram o domingo com alguns clientes que pagaram pelas soluções que desenvolveram em algumas dezenas de horas. Este, por sinal, é um dos critérios mais importantes na avaliação dos jurados: há demanda de mercado para essa inovação proposta? Como uma empresa que ainda nem existe formalmente pode vender para outra empresa?

Marciel Maliseski Junior, que faz parte do escritório Silva, Santana & Teston Advogados, foi mentor jurídico durante o Startup Weekend e ajudou os participantes a desenvolver um modelo que desse segurança para os negócios. “A grande dificuldade da maioria dos projetos estava relacionada a formalizar uma venda para pessoa jurídica. Como essas startups ainda não tem um CNPJ, a saída foi desenvolvermos um instrumento que se chama ‘intenção de compra’, sem vínculo jurídico obrigacional. Não é um contrato mas serve para validar um problema e também uma venda e é o que a gente precisa hoje aqui, provar que a ideia tem mercado. várias equipes conseguiram assinatura de potencial cliente dessa forma. O ideal é sempre fugir da subjetividade”, explica o advogado.

Marciel (em pé, à esquerda), na mentoria jurídica: “a principal dificuldade dos projetos estava relacionada a formalizar uma venda para pessoa jurídica, já que ainda não há um CNPJ”.

A qualidade das ideias que surgiram ao longo das 54 horas surpreendeu alguns jurados. Como Emerson Edel, diretor de Operações da Perville S/A, que administra o Perini Business Park e está à frente do projeto do Ágora Tech Park, parque tecnológico que será inaugurado em março do ano que vem em uma área de 70 mil metros quadrados. “É minha primeira participação no Startup Weekend e realmente impressiona como esses jovens conseguem montar projetos inovadores num curto espaço de tempo. Nosso foco agora é como ajudar a organizar esse ecossistema. Vemos que falta em Joinville um ponto comum, um ambiente, para colocar todo esse pessoal junto interagindo e trazendo novos projetos. O plano estratégico do Perini é ajudar a desenvolver uma comunidade de inovação”, comenta.

As obras do primeiro prédio do Ágora devem começar no segundo semestre, mas Emerson acredita que o desenvolvimento do projeto será mais acelerado do que foi imaginado. “Ainda estamos na fase de projeto, mas estamos uma boa demanda por espaços e acredito que já vamos inaugurar o primeiro prédio com ocupação total. Ao longo do ano devemos começar a planejar o segundo prédio”, antecipa.

Quem não conseguiu participar do Startup Weekend – já que as inscrições esgotaram há quase um mês – terá nova oportunidade nos dias 9, 10 e 11 de novembro, quando acontece a sexta edição do evento na cidade, em local ainda a ser definido. A quinta edição teve o patrocínio do Sebrae/SC, Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Sustentável (SDS) do governo de Santa Catarina, Softville, JoinVix, Silva Santana & Teston Advogados, Perini Business Park e InovaParq/Univille, além de dezenas de outros apoiadores e parceiros.